www.industria-portugal.com
norelem

Desenvolver o futuro dos cuidados de saúde - os benefícios dos componentes com Hygienic DESIGN

No mercado global atual, manter um ambiente imaculado é absolutamente essencial para o sucesso dos fabricantes que trabalham no setor farmacêutico e dos cuidados de saúde. Condições não higiénicas em unidades de fabrico podem ter um impacto catastrófico na saúde pública, para não falar nas consequências legais e para a reputação da não conformidade. Por isso, não é de surpreender que as normas de segurança se tenham tornado cada vez mais rigorosas. Marcus Schneck, CEO na norelem, uma empresa especialista em componentes normalizados, explora a importância da utilização de componentes com conceção higiénica no setor dos cuidados de saúde.

Desenvolver o futuro dos cuidados de saúde - os benefícios dos componentes com Hygienic DESIGN

Princípios da conceção higiénica

O European Hygienic Engineering and Design Group (EHEDG; Grupo Europeu de Engenharia e Conceção Higiénicas) foi estabelecido para sensibilizar para a engenharia higiénica, desenvolver orientações e soluções e servir como plataforma para promoção da especialização. Maioritariamente focado no setor alimentar, este grupo de especialistas do setor identificou uma série de critérios que se centra nos princípios da Hygienic DESIGN, incluindo facilidade de limpeza, prevenção do desenvolvimento de microrganismos e prevenção de infestações, partículas estranhas e contaminações químicas.

Para as empresas envolvidas no fabrico de equipamento médico, estes princípios permanecem válidos e são reforçados pelas Normas Sanitárias 3-A, que se focam na conceção de equipamento higiénico para os setores alimentar, de bebidas e farmacêutico. Em última análise, o principal objetivo da Hygienic DESIGN é evitar a contaminação dos produtos por microrganismos, partículas e químicos, bem como utilizar técnicas de conceção que permitam lavagens regulares, completas e intensas.

Em que consiste a conceção higiénica na prática?
Para cumprir os regulamentos que regem a Hygienic DESIGN, os componentes operacionais são frequentemente fabricados em aço inoxidável, com superfícies lisas que garantem que os germes, resíduos de produtos e sujidade são facilmente limpos. Os raios, transições e chanfros também devem ser concebidos sem cantos acentuados, para permitir uma limpeza completa. Os componentes também não devem ter entalhes, saliências, ranhuras nem cavidades, de forma a reduzir a probabilidade de acumulação de resíduos e microrganismos.

Quando os materiais importam: quando se trata de fabricar equipamento para o setor dos cuidados de saúde, o aço inoxidável é sem dúvida o material de eleição. O acabamento liso não absorvente proporciona uma superfície higiénica que não permite a acumulação de germes nem químicos, sendo ideal um acabamento escovado fino concebido para remover quaisquer impurezas presentes na superfície do aço inoxidável. Para cumprir estes critérios, a superfície dos parafusos e das porcas da norelem é polida com uma rugosidade de Ra 0,8, o que permite remover quaisquer saliências e cavidades no metal que poderiam constituir um local de incubação para microrganismos.

Adicionalmente, num setor em que as lavagens intensas são essenciais no que diz respeito ao compromisso com a higiene, a utilização de aço inoxidável no fabrico destes produtos garante durabilidade, resistência à corrosão e tolerância a temperaturas extremas.

Evitar zonas mortas, fendas e fissuras: para cumprir os critérios da conceção higiénica, os produtos têm que ser concebidos de modo a não apresentarem pequenas fissuras ou características de design que possam constituir zonas onde os microrganismos se possam esconder. Por este motivo, produtos como os parafusos da norelem são concebidos com uma cabeça convexa polida, sem relevos nem características de design que permitam a acumulação de bactérias. Por sua vez, os pés ajustáveis para máquinas da empresa apresentam vedação dupla na rosca e vedações especiais na junta do eixo dos pés ajustáveis, o que permite garantir a inexistência de áreas onde os germes se possam a cumular e facilidade de limpeza desde a conceção.

Resistência a lavagens intensas e químicos agressivos: No setor de fabrico de produtos farmacêuticos, tal como no setor de produção de alimentos, as máquinas podem estar sujeitas a lavagens intensas para garantir a higiene. As virtudes do aço inoxidável enquanto material não corrosivo e não absorvente estão estabelecidos, mas a conceção de componentes compatíveis com lavagem vai mais além. Os componentes têm que ter a capacidade de resistir à implacável combinação de água, químicos, altas pressões e altas temperaturas usados. O sistema de classificação do Índice de Proteção (IP) é uma escala reconhecida internacionalmente relacionada com a proteção comprovada contra fatores ambientais, tais como líquidos e sólidos.

A verificação da classificação IP dos produtos ou componentes pode ajudar a perceber se foram concebidos para resistir à penetração de água e poeira, sendo que as classificações mais altas significam que são adequados para utilização em ambientes onde os equipamentos têm que ser minuciosamente higienizados. Os fechos lingueta com pega em T, por exemplo, respeitam a norma DIN EN 1672-2: 2009 (Regulamento relativo a máquinas higiénicas) graças à sua superfície em aço inoxidável polido espelhado e ao design das suas pegas que permite uma limpeza fácil pois foi desenvolvido para garantir que os agentes e líquidos de limpeza escorrem pela superfície, impedindo a sua acumulação, que poderia resultar em contaminação.


Desenvolver o futuro dos cuidados de saúde - os benefícios dos componentes com Hygienic DESIGN

As vantagens da conceção higiénica
Escusado será dizer que no fabrico de produtos para consumo humano ou para fins médicos, a criação de soluções e a utilização de componentes que salvaguardem a saúde humana não são negociáveis. No entanto, as vantagens são múltiplas. Além de produtos com maior qualidade, uma das principais vantagens da Hygienic DESIGN é a eficiência dos processos. Ao utilizar produtos concebidos sem as complexidades, entalhes e cavidades que podem permitir a acumulação de bactérias e corpos estranhos ou que tenham superfícies concebidas para repelir a água e produtos químicos, os processos de limpeza e as manutenções de rotina podem ser otimizados, o que permite economizar tempo e dinheiro.

A realidade é que no setor médico e farmacêutico é essencial que as empresas cumpram as normas regulamentares e de qualidade para garantir o seu sucesso. Os erros podem frequentemente ter uma visibilidade extremamente alta e custar muito caro. Por este motivo, a rastreabilidade é fundamental, devendo abranger o desenvolvimento de novos produtos e respetivos materiais, o fabrico, o armazenamento e o transporte. Conseguir garantir que os componentes respeitam as normas do EHEDG e as normas de higiene 3-A pode ajudar a demonstrar um compromisso com boas práticas de higiene.

Ao adotar uma abordagem à higiene e prevenção da contaminação baseada no risco, as empresas farmacêuticas e de cuidados de saúde conseguem aumentar a sua eficiência e segurança e melhorar a qualidade dos seus produtos. Para algumas, isso pode significar a substituição completa das suas máquinas de modo a cumprir diretivas novas e em constante evolução. Para outras, funcionará uma abordagem mais lenta e evolutiva, sendo a troca de componentes normalizados um passo simples a dar na missão de manter um ambiente de fabrico imaculado e higiénico.

Para mais informações sobre a gama de produtos de Hygienic DESIGN da norelem, incluindo parafusos e porcas, pés niveladores, fechos lingueta e fixadores de cabos, visite www.norelem.pt

  Peça mais informações…

LinkedIn
Pinterest

Junte-se aos mais de 15 mil seguidores do IMP